Influência nas Propriedades de Concretos de Pós Reativos com a Incorporação de Fibras de Aramida

Autores/as

  • Nelson Seidler Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus Santo Ângelo-RS, Engenharia Civil ,Brasi https://orcid.org/0000-0002-9036-0813
  • Bóris Casanova Sokolovicz Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus Santo Ângelo-RS, Engenharia Civil ,Brasi
  • Allison Irassoquy de Freitas Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus Santo Ângelo-RS, Engenharia Civil ,Brasi
  • Robson Walter dos Santos Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus Santo Ângelo-RS, Engenharia Civil ,Brasi
  • Charles Nícholas Bueno Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões https://orcid.org/0000-0002-6799-1510

DOI:

https://doi.org/10.36995/j.masingenio.2021.03.02.007

Palabras clave:

Concreto de pós reativos, Fibras de aramida, Resistência à tração

Resumen

O Concreto de Pós Reativos (CPR) é isento de agregado graúdo, sendo admitidos grãos de no máximo 2,0 mm,
buscando o preenchimento ótimo de sua granulometria. O comportamento da matriz do CPR é puramente linear e
elástico, sendo então frágil, ou seja, um material com baixa capacidade de suporte de cargas de tração e reduzida
resistência a deformações. Não apresentando praticamente deformações plásticas. Uma alternativa para a melhoria desta
deficiência no CPR é a incorporação de fibra s de aramida, por se tratar de uma fibra sintética polimérica de alto
desempenho, elevado módulo de elasticidade e elevada resistência à tração. O objetivo desta pesquisa é aliar ao CPR a
incorporação de fibras de aramida e tornar o compósito um material mais resistente a cargas de tração, e tornar o
material mais dúcti. Foram realizados os ensaios nos corpos-de-prova aos 28 dias, com teores de 2 kg/m³ (M1), 5kg/m³
(M2), 9kg/m³ (M3) e no traço referência sem adição de fibras (MRef) e foram avaliados a resi stências à compressão,
compressão diametral, tração na flexão e sua ductilidade. Conclui-se que na medida em que se aumentam os teores de
fibras de aramida eleva-se a resistência à tração do compósito para uma determinada trabalhabilidade.

Citas

TUTIKIAN, B. F.; ISAIA, G. C.; HELENE, P. Concreto de Auto e Ultra-Alto Desempenho. Concreto: Ciência e tecnologia. G. C. Isaia. 1. Ed. São Paulo, IBRACOM, 2011. 2v.

RESPLENDINO, J. First recommendations for Ultra-High-Performance Concretes and examples of application. In: International Symposium onUltra High Performance Concrete, 2006.

MEHTA, P. K.; MONTEIRO, P. J. M. Concreto: Estrutura, Propriedades e Materiais. São Paulo, 4a Edição. Ed.

Ibracon, 2014.

MIRANDA, C. S. et al. Thermal, Mechanical and morphological properties of composites developedfrom glycerol and dicarboxylic acids reinforced with piassava fiber. Macromolecular Symposia, v.319, p. 74-82, 2012.

SOKOLOVICZ, B. C. Avaliação das Propriedades Mecânicas e Microestrutura d e Concreto de Ultra Alto Desempenho com Adições Minerais e Resíduos Industriais. 2020. 356 p. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2020.

THOMAZ, E. C. S. CRF - Concreto reforçado com fibras - Mito e realidade. Notas de aula, 2009. Disponível em: <http://www.aquarius.ime.eb.br/~webde2/prof/ethomaz/crf.pdf. Acesso em: 11 out. 2018.

MONTE, R.; TOALDO, G. S.; FIGUEIREDO, A. D. Avaliação da tenacidade de concretos reforçados com fibras através de ensaios com sistema aberto. Matéria (UFRJ), v.19, p.132-149, 2014.THOMAZ, E. C. S. CRF - Concreto reforçado com fibras - Mito e realidade. Notas de aula, 2009. Disponível em:

<http://www.aquarius.ime.eb.br/~webde2/prof/ethomaz/crf.pdf. Acesso em: 11 out. 2018.

CARNIO, M. A. Propagação de Trinca por Fadiga do Concreto Reforçado com Baixos Teores de Fibra. 2009. Disponível em:

<http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/264892/1/Carnio_MarcoAntonio_D.pdf>. Acesso em:

dez. 2018.

CHUNG, D. D. L.; Composite material science and applications. 2nd ed. Springer; 2010.

DAWOOD, E.; RAMLI, M. Contribution of Hybrid Fibers on The Hybrid Fibers on the Properties of High Strength Concrete Having High Workability. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2019.

AOKI, J. Fibras para concreto. Cimento Itambé, 2010. Disponível em:. Acesso em: 11 jun. 2017.

LEVY NETO, F.; PARDINI, L. C. Compósitos Estruturais - Ciência e Tecnologia. 1a Edição. Ed. 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5739: Concreto - Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. Rio de Janeiro, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7222: Concreto e argamassa – Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13279: Argamassa para assentamento e revestimento de paredes e tetos - Determinação da resistência à tração na flexão e à compressão. Rio de Janeiro:

ABNT, 2005.

Descargas

Publicado

2022-04-05 — Actualizado el 2022-06-03